Repouso semanal


LEI Nº 605, DE 5 DE JANEIRO DE 1949


Repouso semanal remunerado e o pagamento de salário nos dias feriados civis e religiosos.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte lei:

Art. 1º Todo empregado tem direito ao repouso semanal remunerado de vinte e quatro horas consecutivas, preferentemente aos domingos e, nos limites das exigências técnicas das empresas, nos feriados civis e religiosos, de acordo com a tradição local.

Art. 2º Entre os empregados a que se refere esta lei, incluem-se os trabalhos rurais, salvo os que operem em qualquer regime de parceiria, meação, ou forma semelhante de participação na produção.

Art. 3º O regime desta lei será extensivo àqueles que, sob forma autônoma, trabalhem agrupados, por intermédio de Sindicato, Caixa Portuária, ou entidade congênere. A remuneração do repouso obrigatório, nesse caso, consistirá no acréscimo de um 1/6 (um sexto) calxulado sobre os salários efetivamente percebidos pelo trabalhador e paga juntamente com os mesmos.

Art. 4º É devido o repouso semanal remunerado, nos termos desta lei, aos trabalhadores das autarquias e de empresas industriais, ou sob administração da União, dos Estados e dos Municípios ou incorporadas nos seus patrimônios, que não estejam subordinados ao regime do funcionalismo público.

Art. 5º Esta lei não se aplica às seguintes pessoas:

a) aos empregados domésticos, assim considerados, de modo geral, os que prestem serviço de natureza não econômica e pessoa ou a família no âmbito residencial destas; (Revogada pela Lei nº 11.324, de 2006)

b) aos funcionários públicos da União, dos Estados e dos Municípios e aos respectivos extranumerários em serviço nas próprias repartições;

c) aos servidores de autarquias paraestatais, desde que sujeitos a regime próprio de proteção ao trabalho que lhes assegure situação análoga à dos funcionários públicos.

Parágrafo único. São exigências técnicas, para os efeitos desta lei, as que, pelas condições peculiares às atividades da empresa, ou em razão do interesse público, tornem indispensável a continuidade do serviço.

Art. 6º Não será devida a remuneração quando, sem motivo justificado, o empregado não tiver trabalhado durante toda a semana anterior, cumprindo integralmente o seu horário de trabalho.

§ 1º São motivos justificados:

a) os previstos no artigo 473 e seu parágrafo único da Consolidação das Leis do Trabalho;

b) a ausência do empregado devidamente justificada, a critério da administração do estabelecimento;

c) a paralisação do serviço nos dias em que, por conveniência do empregador, não tenha havido trabalho;

d) a ausência do empregado, até três dias consecutivos, em virtude do seu casamento;

e) a falta ao serviço com fundamento na lei sobre acidente do trabalho;

f) a doença do empregado, devidamente comprovada.

§ 2º A doença será comprovada mediante atestado de médico da instituição da previdência social a que estiver filiado o empregado, e, na falta dêste e sucessivamente, de médico do Serviço Social do Comércio ou da Indústria; de médico da emprêsa ou por ela designado; de médico a serviço de representação federal, estadual ou municipal incumbido de assuntos de higiene ou de saúde pública; ou não existindo êstes, na localidade em que trabalhar, de médico de sua escôlha. (Redação dada pela Lei nº 2.761, de 26.4.56)

§ 3º Nas empresas em que vigorar regime de trabalho reduzido, a freqüência exigida corresponderá ao número de dias em que o empregado tiver de trabalhar.

Art. 7º A remuneração do repouso semanal corresponderá:

a) para os que trabalham por dia, semana, quinzena ou mês, à de um dia de serviço, computadas as horas extraordinárias habitualmente prestadas; (Redação dada pela Lei nº 7.415, de 09.12.85)

b) para os que trabalham por hora, à sua jornada norma de trabalho, computadas as horas extraordinárias habitualmente prestadas; (Redação dada pela Lei nº 7.415, de 09.12.85)

c) para os que trabalham por tarefa ou peça, o equivalente ao salário correpondente às tarefas ou peças feitas durante a semana, no horárioo normal de trabalho, dividido pelos dias de serviço efetivamente prestados ao empregador;

d) para o empregado em domicílio, o equivalente ao quociente da divisão por 6 (seis) da importância total da sua produção na semana.

§ 1º Os empregados cujos salários não sofram descontos por motivo de feriados civis ou religiosos são considerados já remunerados nesses mesmos dias de repouso, conquanto tenham direito à remuneração dominical.

§ 2º Consideram-se já remunerados os dias de repouso semanal do empregado mensalista ou quinzenalista cujo cálculo de salário mensal ou quinzenal, ou cujos descontos por falta sejam efetuados na base do número de dias do mês ou de 30 (trinta) e 15 (quinze) diárias, respectivamente.

Art. 8º Excetuados os casos em que a execução do serviço for imposta pelas exigências técnicas das empresas, é vedado o trabalho em dias feriados, civis e religiosos, garantida, entratanto, aos empregados a remuneração respectiva, observados os dispositivos dos artigos 6º e 7º desta lei.

Art. 9º Nas atividades em que não for possível, em virtude das exigências técnicas das empresas, a suspensão do trabalho, nos dias feriados civis e religiosos, a remuneração será paga em dobro, salvo se o empregador determinar outro dia de folga.

Art. 10. Na verificação das exigências técnicas a que se referem os artigos anteriores, ter-se-ão em vista as de ordem econômica, permanentes ou ocasionais, bem como as peculiaridades locais.

Parágrafo único. O Poder Executivo, em decreto especial ou no regulamento que expedir par fiel execução desta lei, definirá as mesmas exigências e especificará, tanto quanto possível, as empresas a elas sujeitas, ficando desde já incluídas entre elas as de serviços públicos e de transportes.

Art. 11. São feriados civis os declarados em lei federal. São feriados religiosos os dias de guarda, declarados em lei municipal, de acordo com a tradição local e em número não superior a quatro, neste incluída a Sexta-Feira da Paixão.(Redação dada pelo Decreto-lei nº 86, de 1966) (Revogado pela Lei nº 9.093, de 12.09.95)

Art. 12.  As infrações ao disposto nesta Lei serão punidas, com multa de R$ 40,25 (quarenta reais e vinte e cinco centavos) a R$ 4.025,33 (quatro mil e vinte e cinco reais e trinta e três centavos), segundo a natureza da infração, sua extensão e a intenção de quem a praticou, aplicada em dobro no caso de reincidência e oposição à fiscalização ou desacato à autoridade. (Redação dada pela Lei nº 12.544, de 2011

Art. 13. Serão originariamente competentes, para a imposição das multas de que trata a presente lei, os delegados regionais do Ministério do Trabalho e, nos Estados, onde houver delegação de atribuições, a autoridade delegada.

Art. 14. A fiscalização da execução da presente lei, o processo de autuação dos seus infratores, os recursos e a cobrança das multas reger-se-ão pelo disposto no Título VII da Consolidação das Leis do Trabalho.

Art. 15. A presente lei entrará em vigor na data de sua publicação.

Art. 16. Revogam-se as disposições em contrário.


___________________________________

DECRETO Nº 27.048 DE 12 DE AGOSTO DE 1949.


Aprova o regulamento da Lei nº 605, de 5 de janeiro de 1949, que dispõe sôbre o repouso semanal remunerado e o pagamento de salário nos dias feriados civis e religiosos.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA , usando da atribuição que lhe confere o art. 87, nº I, da Constituição, e nos têrmos do art. 10, parágrafo único, da Lei nº 605, de 5 de janeiro de 1949,

DECRETA:

Art 1º Fica aprovado o Regulamento que a êste acompanha, assinado pelo Ministro de Estado dos Negócios do Trabalho, Indústria e Comércio, pelo qual reger-se-à a execução da Lei nº 605, de 5 de janeiro de 1949.

Art 2º Revogam-se as disposições em contrário.

Rio de Janeiro, 12 de agôsto de 1949; 128º da Independência e 61º da República.

EURICO G. DUTRA.
Honório Monteiro

Este texto não substitui o publicado no D.O.U. de 16.8.1949

REGULAMENTO A QUE SE REFERE O DECRETO Nº 27.048, DE 12 DE AGÔSTO DE 1949

Art 1º Todo empregado tem direito a repouso remunerado, num dia de cada semana, perfeitamente aos domingos, nos feriados civis e nos religiosos, de acôrdo com a tradição local, salvo as exceções previstas neste Regulamento.

Art 2º As disposições do presente Regulamento são extensivas:

a) aos trabalhadores rurais, salvo os que trabalhem em regime de parceria agrícola, meação ou forma semelhante de participação na produção;

b) aos trabalhadores que, sob fôrma autônoma, trabalhem agrupados, por intermédio de sindicato, caixa portuária ou entidade congênere, tais como estivadores, conservadores, conferentes e assemelhados;

c) aos trabalhadores das entidades autárquicas, dos serviços industriais da União, dos Estados, dos Municípios e dos Territórios, e das emprêsas por êstes administradas ou incorporadas, desde que não estejam sujeitos ao regime dos funcionários ou extranumerários ou não tenham regime próprio de proteção ao trabalho, que lhes assegure situação análigas à daqueles servidores públicos.

Art 3º O presente regulamento não se aplica:

a) aos empregados domésticos, assim considerados os que prestem serviço de natureza não econômica a pessoa ou a família, no âmbito residencial destas;

b) aos funcionários da União dos Estados, dos Municípios e dos Territórios, bem como aos respectivos extranumerários, em serviço nas próprias repartições.

Art 4º O repouso semanal remunerado será de vinte horas consecutivas.

Art 5º São feriados e como tais obrigam ao repouso remunerado em todo o território nacional, aquêles que a lei determinar.

Parágrafo único. Será também obrigatório o repouso remunerado nos dias feriados locais, até o máximo de sete, desde que declarados como tais por lei municipal, cabendo à autoridade regional competente em matéria de trabalho expedir os atos necessários à observância do repouso remunerado nesses dias.

Art 6º Executados os casos em que a execução dos serviços for imposta pelas exigências técnicas das emprêsas, é vedado o trabalho nos dias de repouso a que se refere o art. 1º, garantida, entretanto, a remuneração respectiva.

§ 1º Constituem exigências técnicas, para os efeitos dêste regulamento, aquelas que, em razão do interêsse público, ou pelas condições pecualiares às atividades da emprêsa ou ao local onde as mesmas se exercitarem, tornem indispensável a continuidade do trabalho, em todos ou alguns dos respectivos serviços.

§ 2º Nos serviços que exijam trabalho em domingo, com exceção dos elencos teatrais e congêneres, será estabelecida escala de revezamento, previamente organizada de quadro sujeito a fiscalização.

§ 3º Nos serviços em que fôr permitido o trabalho nos feriados civis e religiosos, a remuneração dos empregados que trabalharem nesses dias será paga em dôbro, salvo a emprêsa determinar outro dia de folga.

Art 7º É concedida, em caráter permanente e de acôrdo com o disposto no § 1º do art. 6º, permissão para o trabalho nos dias de repouso a que se refere o art. 1º, nas atividades constantes da relação anexa ao presente regulamento.

§ 1º Os pedidos de permissão para quaisquer outras atividades, que se enquadrem no § 1º do art. 6º, serão apresentados às autoridades regionais referidas no art. 16, que os encaminharão ao Ministro do Trabalho, Indústria e Comércio, devidamente informados.

§ 2º A permissão dar-se-á por decreto ao Poder Executivo.

Art 8º Fora dos casos previstos no artigo anterior admitir-se-á excepcionalmente, o trabalho em dia de repouso:

a) quando ocorrer motivo de fôrça maior, cumprindo à emprêsa justificar a ocorrência perante a autoridade regional a que se refere o art. 15, no prazo de 10 dias;

b) quando, para atender à realização ou conclusão de serviços inadiáveis ou cuja inexecução possa acarretar prejuízo manifesto, a emprêsa obtiver da autoridade regional referida no art. 15 autorização prévia, com discriminação do período autorizado, o qual, de cada vez, não excederá de 60 dias, cabendo neste caso a remuneração em dôbro, na forma e com a ressalva constante do artigo 6º, § 3º.

Art 9º Nos dias de repouso, em que fôr permitido o trabalho, é vedada às emprêsas a execução de serviços que não se enquadrem nos motivos determinantes da permissão.

Art 10. A remuneração dos dias de repouso obrigatório, tanto o do repouso obrigatório, tanto o do repouso semanal como aquêles correspondentes aos feriados, integrará o salário para todos os efeitos legais e com êle deverá ser paga.

§ 1º A remuneração do dia de repouso corresponderá, qualquer que seja a forma de pagamento do salário:

a) para os contratados por semana, dia ou hora à de um dia normal de trabalho não computadas as horas extraordinárias;

b) para os contratados por tarefa ou peça, ao equivalente ao salário correspondente às tarefas ou peças executadas durante a semana, no horário normal de trabalho, dividido pelo dias de serviço efetivamente prestados ao empregador;

c) para os trabalhadores rurais, que trabalham por tarefa pré-determinada, ao cociente da divisão do salário convencionado pelo número de dias fixado para a respectiva execução.

§ 2º A remuneração prevista na alínea a será devida aos empregados contratados por mês ou quinzena, cujo cálculo de salário mensal ou quinzenal, ou cujos descontos por faltas ao serviço sejam efetuados em base inferior a trinta (30) ou quinze (15) dias respectivamente.

Art 11. Perderá a remuneração do dia de repouso o trabalhador que, sem motivo justificado ou em virtude de punição disciplinar, não tiver trabalhado durante tôda a semana, cumprindo integralmente o seu horário de trabalho.

§ 1º Nas emprêsas em que vigorar regime de trabalho reduzido, a freqüência exigida corresponderá ao número de dias em que houver trabalho.

§ 2º Não prejudicarão a freqüência exigida as ausências decorrentes de férias.

§ 3º Não serão acumuladas a remuneração do repouso semanal e a do feriado civil ou religioso, que recaírem no mesmo dia.

§ 4º Para os efeitos do pagamento da remuneração, entende-se como semana o período da segunda-feira a domingo, anterior à semana em que recair o dia de repouso definido no art. 1º.

Art 12. Constituem motivos justificados:

a) os previstos no art. 473, e seu parágrafo da Consolidação das Leis do Trabalho;

b) a ausência do empregado, justificada, a critério da administração do estabelecimento, mediante documento por esta fornecido;

c) a paralisação do serviço nos dias em que, por conveniência do empregador, não tenha havido trabalho;

d) a falta ao serviço, com fundamento na Lei de Acidentes do Trabalho;

e) a ausência do empregado, até três dias consecutivos, em virtude de seu casamento;

f) a doença do empregado devidamente comprovada, até 15 dias, caso em que a remuneração corresponderá a dois terços da fixada no art. 10.

§ 1º A doença será comprovada mediante atestado passado por médico da emprêsa ou por ela designado e pago.

§ 2º Não dispondo a emprêsa de médico da instituição de previdência a que esteja filiado o empregado, por médico do Serviço Social da Indústria ou do Serviço Social do Comércio, por médico de repartição federal, estadual ou municipal, incumbido de assunto de higiene ou saúde, ou, inexistindo na localidade médicos nas condições acima especificados, por médico do sindicato a que pertença o empregado ou por profissional da escolha dêste.

§ 3º As entradas no serviço, verificadas com atraso, em decorrência de acidentes de transportes, quando devidamente comprovados mediante atestado da emprêsa concessionária, não acarretarão, para o trabalhador, a aplicação do disposto no art. 11.

Art 13. Para os efeitos da legislação do trabalho e das contribuições e benefícios da previdência social, passará a ser calculado na base de trinta dias ou duzentos e quarenta horas o mês que anteriormente, o era na base de vinte e cinco dias ou duzentas horas.

Art 14. As infrações ao disposto na Lei nº 605, de 5 de janeiro de 1949, ou neste Regulamento, serão punidas, segundo o caráter e a gravidade, com a multa de cem a cinco mil cruzeiros.

Art 15. São originalmente competentes para a imposição das multas de que trata êste Regulamento as autoridades regionais do trabalho: no Distrito Federal, o Diretor da Divisão de Fiscalização do Departamento Nacional do Trabalho; nos Estados, os Delegados Regionais do Trabalho; e, nos Estados onde houver delegação de atribuições a autoridade delegada.

Art 16. A fiscalização da execução do presente Regulamento, bem como o processo de atuação de seus infratores, reger-se-ão pelo disposto no Título VII da Consolidação das Leis do Trabalho.

Art 17. O presente Regulamento entrará em vigor na data de sua publicação.

Rio de Janeiro, 12 de agôsto de 1949.

HONÓRIO MONTEIRO

RELAÇÃO A QUE SE REFERE O ARTIGO 7º
I - INDÚSTRIA

1) Laticínios (excluídos os serviços de escritório).

2) Frio industrial, fabricação e distribuição de gêlo (excluídos os serviços de escritório).

3) Purificação e distribuição de água (usinas e filtros) (excluídos os serviços de escritório).

4) Produção e distribuição de energia elétrica (excluídos os serviços de escritório).

5) Produção e distribuição de gás (excluídos os serviços de escritório).

6) Serviços de esgotos (excluídos os serviços de escritório).

7) Confecção de coroas de flores naturais.

8) Pastelaria, confeitaria e panificação em geral.

9) Indústria do malte (excluídos os serviços de escritório).

10) Indústria do cobre electrolítico, de ferro (metalúrgica) e do vidro (excluídos os serviços de escritório).

11) Turmas de emergência nas emprêsas industriais, instaladoras e conservadoras de elevadores e cabos aéreos.

12) Trabalhos em cortumes (excluídos os serviços de escritório).

13) Alimentação de animais destinados à realização de pesquisas para preparo de sôro e outros produtos farmacêuticos.

14) Fundição e siderurgia (fornos acesos permanentemente (excluídos os serviços de escritório).

14) Siderurgia, fundição, forjaria, usinagem (fornos acesos permanente) - (exclusive pessoal de escritório) (Redação dada pelo Decreto nº 60.591, de 1967)

15) Lubrificação e reparos do aparelhamento industrial (turma de emergência).

16) Indústria moajeira (excluídas os serviços escritório).

17) Usinas de açúcar e de álcool (com exclusão de oficinas e escritórios).

18) Indústria do papel de imprensa (excluídos os serviços de escritórios).

19) Indústria de vidro (excluído o serviço de escritório).

20) Indústria de cimento em geral, excluídos os serviços de escritório. (Incluído pelo Decreto nº 29.553, de 1951)

21) Indústria do refino do petróleo. (Incluído pelo Decreto nº 61.146, de 1967)

22) Comércio varejista em geral. (Incluído pelo Decreto nº 91.100, de 1983)

23) Indústria Petroquímica, excluídos os serviços de escritório. (Incluído pelo Decreto nº 94.709, de 1987)

II - COMÉRCIO

1) Varejistas de peixe.

2) Varejistas de carnes frescas e caça.

3) Venda de pão e biscoitos.

4) Varejistas de frutas e verduras.

5) Varejistas de aves e ovos.

6) Varejistas de produtos farmacêuticos (farmácias, inclusive manipulação de receituário).

7) Flores e coroas.

8) Barbearias (quando funcionando em recinto fechado ou fazendo parte do complexo do estabelecimento ou atividade, mediante acôrdo expresso com os empregados).

9) Entrepostos de combustíveis, lubrificantes e acessórios para automóveis (postos de gasolina).

10) Locadores de bicicletas e similares.

11) Hotéis e similares (restaurantes, pensões, bares, cafés, confeitarias, leiterias, sorveterias e bombonerias).

12) Hospitais, clínicas, casas de saúde e ambulatórios.

13) Casas de diversões (inclusive estabelecimentos esportivos em que o ingresso seja pago).

14) Limpeza e alimentação de animais em estabelecimentos de avicultura.

15) Feiras-livres e mercados, inclusive os transportes inerentes aos mesmos.

16) Porteiros e cabineiros de edifícios residenciais.

17) Serviços de propaganda dominical.

18) Comércio de artigos regionais nas estâncias hidrominerais. (Incluído pelo Decreto nº 88.341, de 1983)

19) Comércio em portos, aeroportos, estradas, estações rodoviárias e ferroviárias. (Incluído pelo Decreto nº 94.591, de 1987)

20) Comércio em hotéis. (Incluído pelo Decreto nº 94.591, de 1987)

21) Agências de turismo, locadoras de veículos e embarcações. (Incluído pelo Decreto nº 94.591, de 1987)

22) Comércio em postos de combustíveis. (Incluído pelo Decreto nº 94.591, de 1987)

23) Comércio em feiras e exposições.(Incluído pelo Decreto nº 94.591, de 1987)

III - TRANSPORTES

1) Serviços portuários.

2) Navegação (inclusive escritório, unicamente para atender a serviço de navios).

3) Trânsito marítimo de passageiros (exceto de escritório).

4) Serviço propriamente de transportes (excluídos os transportes de carga urbanos e os escritórios e oficinas, salvo as de emergência).

5) Serviço de transportes aéreos (excluídos os departamentos não ligados diretamente ao tráfego aéreo).

6) Transporte interestadual (rodoviário), inclusive limpeza e lubrificação dos veículos.

7) Transporte de passageiros por elevadores e cabos aéreos.

IV - COMUNICAÇÕES E PUBLICIDADE

1) Emprêsa de comunicação telegráficas, radiotelegráficas e telefônicas (excluídos os serviços de escritório e oficinas, salvos as emergência).

2) Emprêsa radiodifusão (excluíndos escritório).

3) Distribuidores e vendedores de jornais e revistas (bancas e ambulantes).

4) Anúncios em bondes e outros veículos (turma de emergência).

V – EDUCAÇÃO E CULTURA

1) Estabelecimentos de ensino (enternatos, excluídos os seviços de escritõrio e magistério).

2) Emprêsas teatrais (excluídos os serviços de escritório).

3) Biblioteca (excluídos os serviços de escritório).

4) Museu (excluídos de serviços de escritório)

5) Emprêsas exibidoras cinematográficas (excluídos de serviços de escritório)

6) Emprêsa de orquestras

7) Cultura física (excluídos de serviços de escritório)

8) Instituições de culto religioso.

VI - SERVIÇOS FUNERÁRIOS

1) Estabelecimentos e entidades que executem serviços funerários.

VII - AGRICULTURA E PECUÁRIA

1) Limpeza e alimentação de animais em propriedades agropecuárias.

2) Execução de serviços especificados nos itens anteriores desta relação.

3) colheita, beneficiamento, lavagem e transporte de hortaliças, legumes e frutas. (Incluído pelo Decreto nº 7.421, de 2010)

___________________________________________________________________

LEI No 6.802, DE 30 DE JUNHO DE 1980.
Declara Feriado Nacional o Dia 12 de outubro, Consagrado a Nossa Senhora Aparecida, Padroeira do Brasil.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o CONGRESSO NACIONAL decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Art. 1º É declarado feriado nacional o dia 12 de outubro, para culto público e oficial a Nossa Senhora Aparecida, Padroeira do Brasil.

Art. 2º Esta Lei entrará em vigor na data de sua publicação.

Brasília, em 30 de junho de 1980; 159º da Independência e 92º da República.

JOÃO FIGUEIREDO
Ibrahim Abi-Ackel

_________________________________________________________________________

Presidência da República
Casa Civil
Subchefia para Assuntos Jurídicos

LEI No 10.607, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2002.


Dá nova redação ao art. 1o da Lei no 662, de 6 de abril de 1949, que "declara feriados nacionais os dias 1o de janeiro, 1o de maio, 7 de setembro, 15 de novembro e 25 de dezembro", e dá outras providências.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Art. 1o O art. 1o da Lei no 662, de 6 de abril de 1949, passa a vigorar com a seguinte redação:

"Art. 1o São feriados nacionais os dias 1o de janeiro, 21 de abril, 1o de maio, 7 de setembro, 2 de novembro, 15 de novembro e 25 de dezembro." (NR)

Art. 2o Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.

Art. 3o Revoga-se a Lei no 1.266, de 8 de dezembro de 1950, que declara feriados nacionais os dias que menciona.

Brasília, 19 de dezembro de 2002; 181o da Independência e 114o da República.

FERNANDO HENRIQUE CARDOSO
Francisco Weffort

72 comentários:

  1. Quando o funcionário fica na empresa no seu horário de almoço para atender um serviço e a empresa paga seu almoço o funcionário é obrigado a bater apenas uma hora de almoço?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nesse caso o empregado não usou o horário de intervalo. O empregador deve pagar uma hora extra acrescida de 50% para compensar esse procedimento. Não é obrigado a registrar horário diverso de intervalo.

      Excluir
  2. Gostaria de saber se eu trabalho todos os dias com folga as segundas feiras!! se é certo trabalhar os 4 domingos do mês!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A cada três semanas, um repouso deve recair no domingo.

      Excluir
  3. tenho uma dúvida quanto ao trabalho aos domingos eventualmente, tendo assim banco de horas como fica mnha folga semanal, tenho direito de tirá-la durante a semana ou não?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O trabalho em domingos e feriados não é afetado com a instituição de banco de horas. Assim, a folga deve ser concedida dentro dos sete dias da semana, sob pena de pagamento em dobro.

      Excluir
  4. Trabalho em todos os domingos e recebo horas extras por elas dobradas, msmo eles me pagando tenho direito a folga durante a semana ou não?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Em primeiro lugar está o direito da folga. O pagamento dobrado é só um paliativo. Então exija o seu direito de ficar sem trabalhar.

      Excluir
  5. Faltei um dia e a empresa me descontou além do dia, a DSR no mesmo valor. Já havia faltado em outro mês e nunca haviam descontado nada. É legal esse desconto?

    ResponderExcluir
  6. trabalho,motorista rodoviario fico ate 40 dias fora do meu domicilio como seria aminha folga

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você tem que ter uma folga por semana. Não precisa estar, necessariamente, no seu domicílio/residência.

      Excluir
  7. Ola trabalho em um hospital, sou terapeuta ocupacional, trabalho e recebo de acordo com meu conselho, recebo por 20h semanais o piso de 1200 bruto por mes, de acordo com meu conselho, sendo q faltei um 1 dia e foram descontados 2 dias, c a justificativa q foi descontado devido ao descanso, essa lei se aplica assim, mesmo eu trabalhando de acordo com meu conselho e trabalhando por 20hs semanais?
    desde já agradeço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente. Faltou um, dois, três, quatro, cinco ou seis dias na semana, perde o salário dos dias que faltou mais um dia referente ao repouso semanal remunerado.

      Excluir
  8. Prezado; Trabalho em uma industria e freguentemente vou trabalhar aos sabados; Qual o percentual que devo receber ????

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sábado é um dia útil como qualquer outro. Não receberá nada a mais, salvo se houver convenção ou acordo coletivo dispondo em sentido contrário ou se representar horas extras superiores a 44a. semanal.

      Excluir
  9. Olá trabalho em uma empresa na qual não tenho que marca ponto, e não tenho cargo de gerência, volta e outra o chefe da área manda a secretaria passar uma lista para assinar referente as horas do mês, é certo isso. a empresa tem mais de 3 mil funcionários e somente nosso "setor" não passamos cartão. o que a lei me diz sobre isso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse procedimento da empresa não está amparado pela lei.

      Excluir
  10. Olá, estou trabalhando a 3 semanas consecutivas sem folga remunerada, como trabalhei os dias que seriam de folga a empresa teria que me pagar esses dias como hora extra? Obrigada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não. Terá que pagar o valor de um dia de trabalho em dobro.

      Excluir
  11. Ola, trabalho de seg a sab no horario normal , e quando trabalho no domingo ganho uma folga na semana seguinte !! E o dia que eu trabalhar no domingo e esse domingo for feriado tambem como ficara minha folga na semana seguinte ? Vou ganhar duas folgas?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não. Tem direito apenas a uma folga.

      Excluir
    2. E tenho direito a receber horas extras por estar trabalhando no feriado nesse caso?

      Excluir
    3. O empregador tem a opção de lhe conceder uma folga compensatória ou pagar o dia trabalhado em dobro.

      Excluir
  12. Olá, Quando se trabalha no feriado temos direito a dois dias de folga?? Sendo que se fosse para pagar seria o dobro?
    Obrigada

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não. Só tem direito a um dia de folga. Se for pagar é que seria em dobro.

      Excluir
  13. Trabalho em um supermercado, faço 44 horas semanais e as horas extras. Eles não pagam acréscimo nas horas extras e o repouso, que é apenas 2 vezes no mês, não é remunerado.

    ResponderExcluir
  14. O empregador deve pagar as 44 horas semanais trabalhadas mais o valor correspondente a um dia de trabalho, que seria a folga semanal remunerada? Ou quando se trabalha 44 horas já se recebe o valor dessa folga?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se o salário é pago por mês, já está embutido o valor do repouso semanal remunerado.

      Excluir
  15. Se eu faltar quatro horas de serviço durante a semana, meio expediente, eu perco o direito de receber o repouso semanal remunerado?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Perde sim, pois o art. 6o. da referida Lei exige o cumprimento do horário integral: Art. 6º Não será devida a remuneração quando, sem motivo justificado, o empregado não tiver trabalhado durante toda a semana anterior, cumprindo integralmente o seu horário de trabalho.

      Excluir
  16. Boa tarde!
    Eu trabalho de segunda a sexta. Sendo trabalhamos 48 min a mais para pagar o sabado. A minha folga seria no Domingo, mais trabalhei o Domingo tambem!
    Com relação ao sabado ja foi pagar durante a semana se eu trabalhar o quanto a empresa deveria me pagar 50% ou 75%?
    Trabalhei a semana todo e incluindo o domingo e a empresa me pagou 100%. Eu tenho direito a folga?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sábado é dia último como outro qualquer. Se a jornada ultrapassar 44 horas por semana, paga a hora com acréscimo de 50%. Se trabalhar no domingo, recebe o valor de um dia de trabalho em dobro ou o direito de gozar a folga em outro dia.

      Excluir
  17. Se o patrão oferece o almoço no local de trabalho o empregado perde as duas horas de descanso?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não. Tem direito ao mesmo intervalo entre uma e duas horas por dia.

      Excluir
  18. Meu horário de trabalho é de 08:00 as 18:00 de segunda a sexta sem intervalo para o almoço e sábado de 08:00 ao 12:00hs so que as vezes chego as 08:40 ou 09:00hs e por isso meu patrão quer q eu assine uma advertência e falou que na terceira serei posta para fora por justa causa isso é certo?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Atrasos constantes constituem desídia e podem autorizar a despedida por justa causa.

      Excluir
  19. Prezado,
    Estou gestante. Meu empregador me impôs afastamento por licença maternidade 28 dias antes do parto, que é o prazo máximo previsto pela CLT. Ocorre que devido a ameaça de parto prematuro, minha obstetra pediu mediante atestado ampliação da licença 12 dias antes desse prazo. O empregador não aceitou esse atestado e alegou que eu já deveria entrar com a licença de 120 dias, sem me conceder o direito a ampliação mediante atestado, ou seja, querem que eu me afaste 40 dias antes do parto. Isso é correto perante a CLT? Como devo proceder?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não é correto esse procedimento. Você pode ingressar com uma ação trabalhista para garantir seus direitos.

      Excluir
  20. Minha folga DSR é toda quinta feira só que nesta quinta é feriado dia 30/05! E correto meu DSR ser no feriado? ou tenho q folgar no feriado e ter direito a um dsr na semana fora o feriado?Por favor me explique o correto e me amostre em que artigo na lei isso pode me esclarecer?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Veja. Legalmente, a folga tem que recair no domingo pelo menos a cada 3 semanas. Então, o procedimento da empresa já é considerado incorreto desde a origem, o que leva a conclusão, somente nesse caso específico, de não ser possível sua folga recair no feriado. É dito isso, porque se fosse um empregado do comércio, por exemplo, seria plenamente possível o feriado recair no domingo e ele não teria direito a outra folga compensatória.

      Excluir
    2. Mais eu trabalho 2 domingos e folgo 1 fora minha folga de quinta,pois quando folgo no domingo eles me dão um RSR na quinta da semana que eu irei folgar o domingo!E eu Trabalho em um supermercado e hoje caiu meu DSR eu teria direito a outra folga? Meu domingo ira ser dia 9/06 e esse mês meu domingo caiu dia 19/05!

      Excluir
    3. Então nesse caso, como sua folga sempre recai na quinta, não há ilegalidade quando há coincidência com o feriado.

      Excluir
  21. Minha empresa trabalha em regime de compensação das 44h de segunda a sexta. Em uma situação onde no sábado a empresa vai aplicar um treinamento e exige a presença da metade dos funcionários, no período integral (8 às 17), e estes mesmos funcionários, por necessidade de determinado cliente, terão que trabalhar também no domingo.
    Seria lícito proceder dessa forma simplesmente pagando o sábado H.E a 50% e o domingo a 100%? Pois assim a empresa estaria impondo ao funcionário trabalhar 12 dias direto, mas recompensando-o em dinheiro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não é licito, pois em primeiro lugar vem o direito ao descanso semanal, ainda que em outro dia que não seja no domingo, mas de forma preferencial nesse dia. Desse modo, o empregado pode recusar a trabalhar nessas condições sem que isso caracterize-se como indisciplina ou insubordinação.

      Excluir
  22. Trabalho em regime de escala no fim de semana e nesta semana o empregador colocou minha folga na quinta dia do feriado informando que irei trabalhar sábado e domingo por conta desta "folga no feriado" segundo ele esta baseado neste artigo " § 3º Não serão acumuladas a remuneração do repouso semanal e a do feriado civil ou religioso, que recaírem no mesmo dia" isto esta correto? eles podem agir desta maneira?

    ResponderExcluir
  23. Respondi essa mesma pergunta a dois comentários anteriores. A mesma resposta aplica-se ao seu caso Thiago.

    ResponderExcluir
  24. Olá! Trabalho em Hospital (180 horas) 6 horas de seg a sexta (7h as 13h) e até então as outras 6 horas semanais eram compensadas em plantões integrais (12h) (um sábado e um domingo por mês), Agora eles decidiram mudar para adequação as leis, e meu horário ficaria todos os finais de semana (6 horas), eles alegam que esta é a única maneira, tendo embasamento na lei. Porém o comprometimento de todos os finais de semana seria inviável. Seria possível trabalhar das 7h as 13h no sábado e das 13h as 19h no domingo do mesmo final de semana? Já que das 13h de sábado até as 13h do domingo terei 24 horas seguidas de descanso? Prefiro desta maneira do que comprometer todos os finais de semana. e o trabalho não ficaria prejudicado. Não pretendo de forma alguma prejudicar a instituição frente as leis vigentes, a intenção é que fique bom para ambas as partes. Antecipadamente agradeço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nesse caso a lei está sendo desrespeitada. Isso porque deve-se somar 11 horas do intervalo interjornada ao repouso semanal de 24 horas, totalizando-se 35 horas de descanso no final de semana.

      Excluir
    2. passo pelo mesmo caso, ou parecido trabalhei de terça para quarta das 20:00 as 05:00 e tendo uma folga em haver o rh disse que deveria voltar ao trabalho na quinta as 08:00 como funcionaria no caso de trocar de horario do noturno para o diurno? isso para mim não é folga! e se fosse na noite de sabado para domingo e eu trabalhasse segunda as 08:00 como seria?

      Excluir
    3. vc pode me passar a lei que diz ser 11horas interjornada e 24 horas de repouso semanal?

      Excluir
    4. 24 horas de repouso está previsto nessa lei que estamos comentando. Já o intervalo intrajornada de 11 horas está previsto no art. 66 da CLT: http://www.regrastrabalhistas.com.br/clt/21-clt-texto/249-66-art

      Excluir
  25. Olá! Em regime especial de trabalho, como 14 dias de trabalho consecutivos e 21 dias de folga (Indústria de Petróleo). É devido o DSR? Obrigado pela atenção!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Durante os dias de trabalho, qual o regime horário?

      Excluir
  26. boa tarde!
    trabalho aos domingos e descobri q pela lei tenho direito a um domingo sim outro não (cada 15 dias um domingo art 386,da clt) então irá ter uma semana q trabalharei 7 dias consecutivos na outra semana trabalharei 6 dias está certo. desde de já agradeço. aguardo resposta

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 15 dias equivaleria, na prática, a duas semanas.

      Excluir
  27. qual lei diz ser 11 horas de repouso interjornada mais 24 horas de folga totalizando 35 horas?

    Obrigado

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 24 horas de repouso está previsto nessa lei que estamos comentando. Já o intervalo intrajornada de 11 horas está previsto no art. 66 da CLT: http://www.regrastrabalhistas.com.br/clt/21-clt-texto/249-66-art

      Excluir
  28. Tenho empresa de entrega
    Gostaria de esclarecer algumas dúvidas referente ao horário de trabalho
    Regime de trabalho de 8 horas de segunda a sexta, e sábado 4 horas.
    Entrada 00:00 intervalo 06: as 07: 00 Saída 09:00. Como faço pra registrar o intervalo, já que toda equipe de entrega esta externa?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O horário de intervalo não precisa ser registrado. Basta que seja pré-assinalado.

      Excluir
  29. PRECISO SABER SE EU TRABALHAR A SEMANA TODA , E POR EXEMPLO NA SEGUNDA FOR FERIADO , E TENHO A SEGUNDA E OUTRO DIA PARA DESCANSO ... ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente. O feriado e mais outro dia, de preferência, o domingo.

      Excluir
  30. trabalho em uma empresa que executa trabalhos em outras cidade, temos que passar as vezes 30,60,90 ate 180 dias em outra cidade, esse tempo ki passamos foram temos direito a algum adicional ou alguma bonificação?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tem direito ao adicional de transferência, que é de 25% do salário.

      Excluir
  31. Gostaria de saber se o vale refeição pode ser tirado por problemas finc. da empresa? Uma vez q este é um benefício e não uma obrigatoriedade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Uma vez pago pela empresa, não pode mais ser retirado, salvo em relação aos novos empregados.

      Excluir
  32. Trabalho em uma empresa das 08h às 17h de segunda a sexta feira, sendo o contrato de trabalho de 40 horas semanais, sendo sábado e domingo folgas, essa empresa trabalha com banco de horas e não com pagamento de horas extras. Se me chamam para trabalhar no domingo, dia de folga, meu banco de horas será acrescido de 100%?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Só se essas horas não forem compensadas até o prazo estabelecido no banco de horas.

      Excluir
  33. Boa tarde,
    Sou empregador e tenho uma duvida referente ao domingo do mês. Meus funcionários folgam quatro vezes por mes sendo uma delas no domingo. Preciso dar mais uma folga durante a semana do domingo? Ou a do domingo já conta como a folga semanal?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se conceder uma folga no domingo, não precisa conceder outra durante a semana, salvo se tiver algum feriado. Lembrar que tem meses em que há cinco domingos.

      Excluir

Antes de fazer sua pergunta, verifique se já não respondida nos demais comentários.